Full Banner

sábado, 17 de abril de 2010

CURTAS E RAPIDAS

Depois do anuncio da entrega de escrituras de casas populares por parte da Administração Municipal para dois setores da cidade, esqueceram de incluir na lista as escrituras do Bairro Ulisses Guimarães e Dona Sinica, é que muitos moradores ainda não tem em mãos tal documento, como agora, isso foi prometido por essa administração há tempos atrás, mas ainda não resolvido como foi propagado.Será que ainda não será dessa vez que isso irá acontecer?.


Essa peleja dos moradores continua. Entra Governo e sai Governo e só fica na promessa, aliás como muitas outras promessas de palanque que os Itumbiarenses ouviram. Como o povo está de olho, só observando e vendo tudo, embora sem falar por conta da mordaça aceita pela imprensa local de que se for contra a Governança nada pode ser dito. A vingança poderá ser sentida nas urnas.

Anunciado mais um mega show por ocasião da inauguração de uma escola de tempo integral em nossa cidade, bem que essa quantia milionária que é quanto custa um show de Zezé de Camargo e Luciano poderia ser aplicado em beneficio do nosso povo. Apesar de gostar muito dessa dupla entendo que as nossas necessidades são outras.


Só como exemplo poderia ser aplicado os cerca de R$ 200 mil reais em mais remédios a disposição da população, pagamentos de cirurgias pra quem está na fila esperando há meses correndo risco de morte, ou de ficar em uma cadeira de rodas, na educação pois nem só de prédios se faz a mesma, é preciso no minímo pagar o piso nacional do professores, valoriza-los entre outras coisas de importância pro cidadão, já que trata-se certamente do nosso suado dinheiro indo mais uma vez para o ralo.

terça-feira, 13 de abril de 2010

TAXA DA ENERGIA PUBLICA CONTINUA ABUSIVA

Em relação a cobrança da cosip prevista através da emenda 39 em nossas contas de energia elétrica estive pesquisando na vizinha cidade de Bom Jesus, e pra minha supresa, enquanto por aqui se cobra o encargo de forma abusiva e sem transparência, lá o valor máximo cobrado é de R$ 7,00 por contas, levando em consideração inclusive o poder aquisitivo das pessoas.

O que me parece justo, diferente aqui de Itumbiara que quanto mais o consumidor gasta energia, mais paga pelo encargo um verdadeiro absurdo, quando na verdade não  está consumindo  mais energia do poste lá na rua, portanto não tem que atrelar cálculo da taxa ao consumo residencial é injusto, imoral.

Lembramos que o Ministério Publico está movendo ação de questionamento da tal emenda 39 aqui no município, portanto consumidor é preciso continuar a termos esperança de que as coisas não ficarão como estão, é preciso reagir, trarei em breve mais dados sobre esse tema, enquanto isso faça um levantamento da sua conta consumidor e se indigne.

A taxa mais barata cobrada por aqui, provavelmente não deve ser inferior a R$ 7,00.

Entidades mantêm pressão por ficha limpa

Diante do adiamento da votação em plenário do projeto conhecido como "ficha limpa", as entidades que defendem sua aprovação começam a se mobilizar para exercer pressão sobre os membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ao mesmo tempo, se preparam para negociar com o Senado para evitar novas emendas após a aprovação pela Câmara.


Partidos da base aliada do Planalto mandaram para a "geladeira", ontem, o projeto de lei que impede a candidatura de políticos com "ficha suja". A votação foi adiada para a primeira semana de maio. A negativa dos líderes em pedir urgência para o projeto obrigou que sua análise seja feita pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Com o atraso, é praticamente impossível que o impedimento para os políticos condenados por órgão colegiado se candidatar tenha validade para as eleições de outubro.

O coordenador político do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Francisco Whitaker, não vê como derrota a não-aprovação, ontem, do pedido de urgência urgentíssima para o PLP 518/09, que institui a obrigação de ficha limpa para políticos.

"Na verdade, mandar o projeto para a CCJ foi um meio-termo. Se fosse aprovada a urgência urgentíssima seria um resultado fantástico, muito além do que esperávamos", disse Whitaker. Segundo ele, o adiamento permitirá que o MCCE tenha mais tempo para convencer os parlamentares a aprovarem o projeto.


Fonte agencia Estado

Arquivo do blog